#2 Carta para a minha ex-paixão

by - segunda-feira, junho 13, 2016


Nota introdutória: Como sou uma gaja parva, prometi a mim mesma que não haveria de ter namorado só porque sim, como tal, acontece que só tive um namorado no 8º ano, que durou uma semana, pelo que, esta carta destina-se não a uma pessoa, mas a uma paixão abstrata, uma ex-paixão abstrata.

Não me lembro do momento em que deixei de gostar de ti. Provavelmente entre a celebração dos nossos 10 anos e a professora nova. Talvez, não sei. Houve um momento em que sei que te amei, em que me esforcei mesmo, em que lutei, em que acreditei, em que achei que valia a pena, em que me sentia bem e em que me fazias feliz.


Entretanto as coisas mudaram. O professor foi-se embora, a professora coordenadora também, a professora nova era uma besta e o novo professor coordenador não sabia coordenar. Isso e a depressão levaram-me a esquecer-te, a abandonar-te, a detestar-te.

Acho que das piores coisas que há na vida, são as coisas sem propósito, e tu deixaste de o ter. A música deixou de me inspirar, de me tocar, e deixei de te tocar. Estudar violino passou a ser uma obrigação, uma chatice. As aulas então, uma tortura, com a nova professora que até burra me chamava e nem o que eu tocava ouvia.

O meu professor acabou por voltar, a professora coordenadora não. Acabei o 5º grau de música. O propósito nunca voltou, perdeu-se indefinidamente no passado e nas mágoas. A vontade desapareceu e o entusiasmo também.

Peço desculpa a todos. Peço desculpa a mim mesma. Peço desculpa ao professor. Peço sobretudo desculpa à minha mãe, que sempre acreditou, que me tentou fazer voltar a acreditar mesmo depois de ter desistido. Desculpa. Desculpa sobretudo pela tristeza e a despesa que te dei neste último ano. Porque me obrigaste a continuar contragosto.

Já fui uma pessoa de lutas, mas já não sou. Lutei demasiado, demasiado nova, por demasiadas causas perdidas, por demasiadas pessoas erradas. Lutei demasiado, demasiado nova e quando cresci cansei-me e desisti de lutar. Peço desculpa a todos os que insistem em recordar a miúda cheia de força e de garra que lutava até pelo que não era para si. Desculpem. Essa miúda ficou algures no passado.

Mas esta carta destina-se ao violino. Desculpa, porque vais ficar na caixa até que a minha irmã te toque. Desculpa mas também foi um sufoco para mim. Desculpa, vais ser trocado por uma guitarra. Não te chateies, okay? Talvez não tenhamos sido feitos um para o outro. Talvez a miúda que fui te estivesse destinada, mas não a mulher que sou. Desculpa. Mas não é um adeus, é só um até já. Como antigos namorados que se encontram e põem a conversa em dia, pode ser?
Beijinhos,
Gosto muito de ti,
Até já,

You May Also Like

1 comentários

  1. Que bonito este texto! Percebo perfeitamente aquilo que escreves, há medida que crescemos mudamos os nossos gostos e vontades e o violino não estava no teu futuro. Hão de surgir outras paixões que te farão vibrar como com o violino.

    Giveaway de um colar de 2 camadas com a Born Pretty ♥

    ResponderEliminar