ACMA | Voluntariado
{e o que isso me fez sentir}

by - segunda-feira, fevereiro 20, 2017


Os leitores que me têm acompanhado (ainda que escreva cada vez menos) já devem conhecer o projeto A Cultura Mora Aqui. Mas para quem não conhece, resumidamente, é um conjunto de posts mensais de um grupo de bloggers sobre um tema específico, e qualquer um pode participar!

O tema deste mês são os sentimentos! Não, não me vou para aqui a falar amor e lamechices tais, características deste mês em que parece que todos os adolescentes encontram a sua alma gémea (mais que não seja só por um mês) exceto eu!

Mas saltando essa parte à frente... (e porque hoje até estou bem disposta e por isso acho que este post vai estar cheio de piadas e ironia...), hoje venho-vos falar sobre o voluntariado que fiz para a Cidade Europeia do Desporto.

Oh Margarida, então mas e o que é que isso tem haver com sentimentos?! perguntam vocês... bem, vou contar-vos o que é que esta experiência enriquecedora me fez sentir e algumas das coisas que aprendi e vou também dar alguns conselhos para quem pensar um dia envolver-se em projetos deste género.

But first things, first...

Setúbal foi eleita a Cidade Europeia do Desporto para 2016. Como tal, e devido ao apoio que ia ser necessário para todos os eventos planeados, a câmara abriu uma bolsa de voluntariado, na qual qualquer um se podia inscrever, apartir dos 16 anos. And I did it!

Tenho a dizer-vos que, apesar de muitas vezes as coisas não terem corrido da melhor forma (porque ser voluntário em eventos cheios de gente importante é complicado) foi uma experiência bastante gratificante da qual trago imensos amigos e aprendi a lidar com algumas situações de tensão de melhor maneira.

Houve situações de grande stress nomeadamente na final de futebol de praia onde o tempo de jogo é bastante curto e qualquer bola fora que demore muito tempo a ser posta em campo pode prejudicar grandemente uma das equipas. Ora, quem é que são os atira-bolas?! Os voluntários, claro. E quem são as pessoas mais fáceis de culpar sempre quando alguma coisa corre mal?! Os voluntários! Houve inclusivamente uma situação em que um jogador que estava no banco começou a gritar comigo por algo que nem era da minha responsabilidade. Ora, à primeira vez encolhi-me e acatei, mas no intervalo fui falar com o responsável pelos voluntários que foi falar com o jogador (que reagiu igualmente mal com o meu superior, e que mais tarde acabou por ser expulso por ofender os árbitros da partida) e eu fui para uma outra ponta onde não havia ninguém para gritar comigo e tudo correu bem.

Nesta situação senti-me frustrada e intimidada porque estão a imaginar o que é eu, uma gaja com menos de 40kg, e um atleta profissional, com mais do dobro do meu tamanho e peso, right?!

Também houve situações em que trabalhei cerca de 10h por dia (três dias seguidos) e nem almoço me pagaram...

Os voluntários são muitas vezes desvalorizados, mas a verdade é que sem nós há muitas coisas que não seriam possíveis, coisas que podem parecer absolutamente insignificantes mas que se não existirem é tudo uma grande confusão.

Bem... se tiverem oportunidade de participar em alguma iniciativa do género, façam-no! A sério!

Aqui ficam alguns blogs do projeto ACMA e o contacto da coordenadora (Ju) para contactarem caso queiram participar!


corsemfim@gmail.com

You May Also Like

2 comentários

  1. Eu dirijo uma IPSS em regime de voluntariado e concordo que o esforço dos voluntários dificilmente é reconhecido. A maioria das pessoas não imagina o desgaste e o esforço que algumas atividades implicam.

    ResponderEliminar
  2. Fiz voluntariado poucas vezes, devia fazer mais. A sensação de ajudar alguém é uma das melhores que existem. Na verdade, ajudar é algo que se pode fazer todos os dias, mesmo que não seja de uma forma oficial. Por isso não há desculpas... bjs

    ResponderEliminar